REI ARTHUR – A LENDA DA ESPADA | OS RESULTADOS FORAM PIORES QUE AS EXPECTATIVAS

by:

CríticasFilmes

REI ARTHUR – A LENDA DA ESPADA

Arthur é abandonado ainda pequeno, após a morte de seus pais, ele passa a viver nos bordéis da cidade de Londonium, e cresce como um gangster, um líder de uma gangue no meio de uma pequena cidade medieval, sem imaginar a vida para a qual nasceu, até descobrir o seu destino com espada Excalibur, mas isso lhe força a fazer escolhas difíceis.

Rei Arthur (Charlie Hunnam) com sua nova versão A lenda da espada, insiste nos clichês mesmo com bastante ação e uma pegada mais moderna em estilo mais dinâmico, as cenas são chatas, deixou bem caracterizado que a espada é que concede o poder para Arthur, ele não é nada sem ela.

O roteiro ficou com excesso de informação, os personagens são criados em minutos, é preciso de muita atenção, pois em um piscar de olhos passa alguma informação essencial para o entendimento, assim o potencial narrativo se afasta, deixando algumas situações muito confusas.

O Charlie Hunnam (Rei Arthur) ficou muito bem no papel, nos dava emoção quando precisou, e se caracterizou muito bem  na sua rixa com seu tio, Vortigen (Jude Law), que traiu o irmão quando o protagonista da história ainda era criança, essa dupla deu muito certo, conseguiu uma empolgação, Astrid Bergès-Frisbey (The Mage), também deixou o Rei Arthur: A Lenda da Espada mais fantasioso e ajudou a trama a ter mais poder.

A direção com Guy Ritchie, conhecido por muitos longas de sucesso, podia ter sido melhor, porém, os efeitos ajudaram o filme a não sair totalmente dos trilhos, mas houve distração do enredo, que se revela comprido e fraco, com os enfeites, junto com a sonora que é bem viciante e empolgante, assim trazendo um pouco de emoção e altas fantasias. Fazendo com que a longa tenha dado certo, vale a pena conferir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *