Planeta dos Macacos: A Guerra | Andy Serkis ressalta a franquia

Durante a coletiva o ator demonstrou estar contente com o resultado

by:

EventosFilmesGeral

Planeta dos Macacos: A Guerra

O ator Andy Serkis veio ao Brasil essa semana divulgar Planeta dos Macacos: A Guerra, esse é terceiro filme da franquia que fecha o clico do personagem interpretado por ele, César. E na manhã desta terça-feira, 01, o interprete esteve em uma coletiva de imprensa na cidade de São Paulo, no Shopping Eldorado, na sala temática do Cinemark (para saber mais das sessões, clique aqui) para falar um pouco mais dessa sequência que chega dia 03, quinta-feira, nos cinemas brasileiros.

Serkis acredita que a franquia é diferente de qualquer outra que exista. “Planeta dos Macacos, não segue uma formula de sucesso como as outras, procuramos sempre exaltar a essência e filosofia que o título pode passar”, demonstrando claramente o que espera transmitir com o último longa, “Dentro de Planeta dos Macacos: A Guerra não há bonzinhos ou malvados. Todos têm seus motivos, e dá para entende-los. Trata-se de você olhar para o próximo e sentir empatia por ele”, ressaltou.

Andy Serkis durante o bate papo. Por: Mariana F. David

O ator aproveitou também o momento para explicar como foi a evolução de César, “No primeiro filme desenvolvemos um personagem jovem, prodígio, uma criança que deseja aprender. Já em Planeta dos Macacos: O Confronto César [seu personagem] precisava ser o líder que o grupo queria, procurei me inspirar em pessoas como Nélson Mandela, alguém que lutava pelo seu povo e por igualdade a todos. Mas em Planeta dos Macacos: A Guerra, tive que mergulhar nas emoções dele”.

Andy Serkis é conhecido por trabalhar com personagens em que a captura de performance é necessário para surgir, assim foi em Senhor dos Anéis com Gollum (2001), King Kong (2005); As Aventuras de Timtim – Capitão Haddock (2011); entre outros desenvolvidos por ele e seu estúdio, “é uma ótima ferramenta para dar vida ao personagem, ao longo do tempo ela foi melhorando de uma forma em que agora não preciso usar dois cenários para que o trabalho seja feito, os avanços fizeram com que pudéssemos sair do estúdio e gravar ao ar livre de uma vez só, dando mais ainda a sensação de realidade”.

Ainda aproveitou para cutucar pessoas que não consideram atuação o uso de captação de movimentos, “Se eu tivesse com maquiagem e uma grande roupa de macaco eles diriam: ‘Isso é interpretação. Acredito que deveria ser reconhecido pela academia”.

Planeta dos Macacos: A Guerra demorou seis meses para ser filmado, fora a arte gráfica para dar vida a todos os personagens. O ambiento proposto pelo diretor Matt Reaves foi o frio do Canadá e dentro desse cenário o filme segue um misto de vingança com a procura de paz em algum lugar seguro para que os macacos possam viver.

Confira o trailer Planeta dos Macacos: A Guerra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *