For Honor – Análise

by:

CríticasGames

For Honor

A finalidade é trazer uma análise rápida e detalhada dos assuntos históricos, jogabilidade, vantagens e desvantagens e por fim, vale a pena ou não que é o mais importante, mas não podemos deixar a diversão de lado desse grande jogo, For Honor.

IMPORTANTE:

Se você procura uma análise rápida, pule para o tópico ”*Finalizando”, muitos procuram por se vale a pena e os motivos de For Honor. Para uma análise mais detalhada continue a leitura.

Primeira impressão:

O visual não é novidade para ninguém, todos já viram em diversas betas e até quando surgiu na E3, For Honor é bom, e ficaram maravilhados com os gráficos, ambientação.

Mecânica: Muito tempo se passou e a Ubisoft cumpriu com o que prometeu na feira de games, quem acompanhou seu lançamento viu acontecer o que se esperava de For Honor, veio nos enchendo de expectativas e anseios desde cedo.

A trilha sonora inicial do jogo é impecável, os tambores de batalha ao som coberto pela guerra é algo majestoso, você realmente sente a sensação de estar na guerra, mas vamos ao que interessa.

Sobre o jogo:

For Honor traz uma divertida forma de jogabilidade, ainda mais pelo fato de ser personagens históricos, e dificilmente alguém não conheça algum deles. A imersão do game é incrível, fazendo com que você jogue horas sem perceber e fique com anseio de querer mais e evoluir suas habilidades.

For Honor depende muito de reflexos e habilidade, então é um desafio muito legal de se enfrentar para quem gosta desse gênero.

O game traz a modalidade Hack and Slash com elementos RPG e MOBA, muita diversão e horas de jogo para serem exploradas e diversas estratégias diferentes podem ser obtidas com combinações de guerreiros e terreno, sem contar que For honor é algo muito visceral (adoramos isso).

Vale ressaltar a importância do terreno (High Ground).

A mecânica do jogo é muito bem fluída e dinâmica, podendo assim não ficar monótono e chato. A marca registrada da Ubisoft é a inovação de jogabilidade e ideias, não podemos negar esse fato, e isso é incontestável só pelo Assassins Creed existir e ter sido um sucesso.

O jogo vale a pena sim, ainda mais para quem é aficionado por guerras e algo violento, vou dizer o porquê mais abaixo.

Um pouco sobre os personagens e suas Histórias:

Vikings – Século VIII (8) ao XI (11)

Bárbaro – Primeiro personagem da classe Viking é o Bárbaro, e como poucos devem comparar ou chama-los, de Berserkers, mas vamos ao que interessa, ele é de uma classe muito forte, mas também pesada podendo assim levar vantagem ou desvantagem em certos cenários. O que posso dizer e dar como dica será que, faça seu próprio método de jogo com ele, combinar terreno com o Bárbaro é algo muito eficiente.

O combate corpo a corpo com a classe Viking, pode ser muito eficaz próximo ao inimigo e barrancos podendo levar a vantagem de terreno e joga-lo para o infinito e além.

Vantagens:

*Ataque em área podendo derrubar muitos bots.

*Dano muito forte.

*Defesa boa.

Desvantagens:

*Lentidão.

*Movimentação.

*Vigor.

Historicamente falando:

Naturais da Escandinávia ou Noruega, Dinamarca e mais alguns Países ao norte da Europa.

Formados por um povo bravo, honrado e forte com tecnologias fantásticas principalmente voltada para os barcos, mas o ferro usado por eles era de baixa qualidade.  Nem todos os Vikings eram grandes, também existiam guerreiros com variações de tamanho, podendo ser medianos e fortes, ágeis e com pouco musculo.

Os Berserkers eram grupos de guerreiros que veneravam Odin, na maior parte das vezes homens com estaturas altas e muito fortes. Eles em batalha usavam a fúria em seu favor e normalmente lutavam quase sem nenhum tipo de armadura.

As formações eram de parede de escudo e dificilmente o inimigo conseguia quebrar a formação.

*Para saber mais da história dos vikings, assista o seriado Vikings ou leiam o livro O último reino Crônicas Saxônicas.

Samurais – Século IX (9) ao XIX(19)

Kensei – O primeiro guerreiro samurai é o Kensei, ele seria o que dizemos de formidável, rápido e ágil, sua forma de luta é muito elegante e podemos dizer que ele causa um dano muito efetivo contra cavaleiros, mas sua velocidade é também efetiva contra os Bárbaros. Pode facilmente derrotar seus oponentes com sua destreza. Avança rapidamente pelo campo por conta de seu vigor e velocidade. Ótima classe para quem gosta de samurais e rapidez, ele proporciona uma boa briga no campo de batalha e pode até sobreviver bastante durante o combate.

Vantagens:

*Agilidade no contra-ataque.

*velocidade.

*vigor.

Desvantagens:

*Dano médio.

*Defesa média.

*Ataque em área não muito eficaz.

Historicamente falando:

Famosos do período antigo no Japão, usavam o Bushido (mais conhecido como caminho do guerreiro), formada por condutas e princípios do samurai. A importância dos samurais podia ser distinguida por seus elmos e máscaras, quanto mais ornamentos e enfeites no elmo significava que o Samurai era de alto grau e muito reconhecido.

Suas armas eram Katanas, as famosas espadas samurais. Suas habilidades eram excepcionais, tanto como agilidade força e mente. Muitos eram sábios e defendiam a própria honra, tanto que quando ela era ferida ele cometia o Seppuku, vulgarmente conhecido como haraquiri, ritual suicida.

*para saber mais assista o último samurai e 47 Ronins.

Cavaleiros – Século VIII(8) ao XVI (16)

Guardiã – A primeira personagem desta classe chama-se Guardiã, ela é muito bem equilibrada em relação a tamanho, velocidade e força, podendo assim avançar rapidamente e pressionando o campo inimigo, seu ataque pode ser considerado de área capaz de derrubar 5 ou mais inimigos (IA) que formam a parede de escudo, semelhante a do Bárbaro.

Ela também aguenta bastante dano, então é uma ótima classe para quem procura jogar focado ao dano e velocidade sendo ambos equilibrados.

Vantagens:

*Velocidade de ataque média.

*Dano bom.

*vigor bom.

 Desvantagens:

*Movimentação.

*Esquiva.

*Velocidade ao atacar.

Historicamente falando:

Os cavaleiros templários lutaram nas famosas guerras santas na qual grandes religiões monoteístas brigaram para proteger suas ideias e crenças para assim preservar sua religião. Formados por sociedades, os grupos de cavaleiros eram chamados de ordens, muitos cavaleiros eram reconhecidos como nobres.

*para saber assista à cruzada ou Assassins Creed.

Finalizando:

For Honor traz outras variações de cada classe, podendo assim termos os personagens rápidos como o Kensei na classe dos cavaleiros, que seria a pacificadora do grupo.

Diria que a combinação e arranjo de gráficos, trilha sonora, personagens, modos de jogo multiplayer, campanha, atividade imersível e propriamente a dificuldade, traz um desafio digno de ser jogado.

Resta saber qual classe você vai se adaptar, ter afinidade, que estratégia vai usar, e de resto sabemos que o jogo vale a pena sim, para quem quer uma experiência imersível de guerra medieval e dentro desse tema, For Honor cumpriu o que mostrou na E3. A Ubisoft fez um trabalho incrível com gráficos, o jogo é completo em si. A ideia foi sensacional, para e jogar precisa mesmo de habilidade e reflexos.

*Pontos positivos: O gráfico, para quem preza muito isso, pela jogabilidade e fluidez ou seja, mecânica, diversão, pois For Honor não é algo maçante sempre variando a forma de jogar e pela agressividade de luta, para quem gosta é um prato cheio.

*Pontos negativos: Problemas de organizar partida (matchmaking).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *