Crítica | Duna peca, e acerta, por ser fiel demais ao livro

by:

CríticasFilmes

A busca por um novo best-saler cinematográfico é algo que os estúdios estão constantemente procurando, franquias como Harry Potter, Crepúsculo, entre outros rendem fãs, muda gerações e rios de dinheiro para quem cria, produz e participa. Partindo desse princípio tivemos por parte da Warner Bros. uma tentativa muito feliz ao trazer Duna novamente para o universo cinematográfico, pois na década de 70 tivemos diversos filmes e quadrinhos da franquia, ao construir uma gigantesca narrativa com um estilo próprio e um ótimo elenco.

Duna conta a história de um jovem prodígio e sucessor no trono do reino de Atraides que muda de planeta com a família para gerenciar a extração do material que eles chamam de “especiaria”, principal condutor de naves e maquinários de outros mundos. Ou seja, percebemos que a ambientação de Duna vem com uma grande crítica social do século XX, a corrida pelo petróleo.

Mas saindo um pouco do tema da franquia, temos um filme em que o processo criativo para sua construção fosse fielmente seguido pelo diretor Denis Villeneuve, conhecido por produzir longas com dimensões grandiosas. E isso fica claro em Duna, pois a construção do universo da franquia é gigantesco e bem personificado para as telonas.

Mas o grande problema que o diretor e o grupo provavelmente irão enfrentar é a paciência do público, pois comprar a ideia de que esse é o primeiro de muitos filmes vindo de uma adaptação de livro pode ser complicada e levar tempo para a grande aclamação. Pois esse primeiro título é para apresentar personagens, enredo e história, então não espere uma conclusão ao final de duas horas e meia.

E pode ter certeza que a Warner super comprou a ideia, tanto que deixou em aberto todas as possibilidades, ainda entregou um dos maiores elencos que qualquer direção iria amar, desde o protagonista o jovem e prodígio rei de Atreides, Paul Atreides, interpretado por Timothée Chamalet, além de contar com Zendaya, Jason Momoa, Oscar Isaac, Rebecca Fergunson, entre outros.

A ideia foi lançada, o filme Duna apresentou um universo interessante e atrativo para o público. Aproveitou de um grande elenco e um diretor que sabe criar ambientes gigantescos que saltam os olhos de tão espetacular, porém o mesmo pode ter problema para render grandes bilheterias logo de início pois pode demonstrar um arrastado e com muitas barrigas para alguém que somente procura diversão no cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *